Pelmá

Pelmá é uma freguesia portuguesa do concelho de Alvaiázere, com 29,91 km² de área e 736 habitantes (2011). Densidade: 24,6 h/km². Origem do Nome Pensa-se que o nome da freguesia da Pelmá terá tido origem há muitos séculos, num homem de carácter irrascível e com grande maldade, que lá vivia. A população tratou de lhe dar um apelido: "Pelle-Má". O nome foi sofrendo evolução fonética e degenerou em Pelmá. Outra hipótese é que o nome Pelmá deriva do grego "pela", que significa planta do pé. História Esta freguesia já é povoada há pelo menos 1900 anos, sendo isto comprovado em 1751, com a descoberta de moedas de ouro, prata e cobre, cunhadas com a efígie dos imperadores romanos Vitelio (69), Vespaziano (69-79), Tito (79-81), Nerva (96-98) e Trajano (98-117). Estas acabaram recolhidas pela Academia Portuguesa de História, e, pouco tempo depois, desapareceram com o grande terramoto da cidade de Lisboa, em 1755. Além das moedas, foram recolhidos, na mesma época, vários adereços em ouro, usadas pelas damas romanas, que posteriormente seriam vendidos a um ourives de Coimbra. Tudo o que era ouro foi derretido para o fabrico de jóias, o resto também desapareceu. Durante a Idade Moderna, Pelmá foi priorado da apresentação dos condes de Atouguia e passou, mais tarde, a padroado real. Durante o século passado, pertenceu durante três anos (1895-98) ao concelho de Vila Nova de Ourém, antes de transitar definitivamente para o de Alvaiázere. Do património da freguesia, destaca-se naturalmente a igreja paroquial. Em meados do século, estava completamente destruída, pouco mais do que ruínas: o corpo completamente desfeito e a torre destroçada. O Pe. José Nunes Bouça, pároco da freguesia, encarregar-se-ia de reconstruír toda a igreja, o seu adro e o escadório de acesso à entrada do templo, com a ajuda da população. Obras que custaram cerca de mil contos e que foram inauguradas a 21 de Outubro de 1951. Salvou-se muito, ainda assim, embora alguns dos restauros não tenham sido realizados com o necessário cuidado. Referia o “Inventário Artístico de Portugal” a este propósito, antes ainda das obras de restauro: “Templo em ruínas. (…) A capela-mor defende-se por um tapume. Os dois altares colaterais, do princípio do séc. XVII, de colunas doiradas e pintadas, estão agora ao ar livre. O retábulo do altar-mor, restaurado por um pintor de aldeia, é de um modernismo sem descrição. A imagem do orago está numa mísula da capela-mor. No cemitério, junto ao templo, a que estão prometidas obras comparticipadas pelo Estado, encontra-se num túmulo trapezoidal, antigo, com uma inscrição posterior (séc. XVIII), que diz: - ANTÓNIO BACHA CERORGIÃO.” Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.  

MONTE DO CASTELO

  "Encontrarás mais nos bosques que nos livros; as árvores e as pedras ensinar-te-ão coisas que nenhum homem poderá dizer-te."

Bernardo de Claraval

Pelmá - Alvaiázere

Castros são as ruínas ou restos arqueológicos de um tipo de povoado da idade do bronze e da Idade do Ferro característico das montanhas do noroeste da Península Ibérica. Estes povoados eram construídos com estruturas predominantemente circulares, revelando a implementação de uma «civilização da pedra». Os castros estão quase invariavelmente localizados no topo de montes, que são defesas naturais e permitem o controlo táctico dos campos em redor. Estes montes tinham sempre fontes ou pequenas ribeiras, e naqueles mais desprovidos de água eram construídos reservatórios pelas populações, provavelmente para resistir aos cercos dos inimigos. Os Romanos destruíram muitos castros, devido à resistência feroz dos povos castrejos ao seu domínio, mas alguns foram aproveitados e expandidos como cidades romanas, (a cidade de Santarém e de Conímbriga, tiveram origem em castros) e, Segundo Jorge de Alarcão, aos castros deram os Romanos o nome de castella. Na freguesia da Pelmá existe um dos mais belos exemplares destas construções em estado original, conhecido como, monte do castelo. Quando as legiões Romanas passavam nas terras de Alvaiázere estabeleciam nestes locais, os seus acampamentos militares.  

Apresentação

Ficheiro PDF